O ministro Paulo Guedes foi interrompido e praticamente sequestrado por Luiz Ramos e Ricardo Barros durante uma coletiva de imprensa na tarde de ontem.

Quando ia falar sobre um novo tributo, o general Luiz Ramos, ministro da Secretaria da Presidência, enfiou a mão por debaixo das costelas de Guedes e o puxou para dentro de um carro. Na próxima coletiva, Guedes usará uma coleira para facilitar a manobra. Seus tutores também levarão sacolinhas plásticas para recolher os detritos que saem de sua boca, como quando disse que servidores públicos são parasitas e que “até domésticas estavam indo para a Disney, uma festa danada”.

Para Guedes ficar no novo governo populista e anti-neoliberal de Bolsonaro, dizem que só se ele virar uma espécie de Louro José — mas alas conservadoras do governo não aprovam que alguém enfie a mão no buraco no fundo do ministro.