A Polícia Civil de São Paulo prendeu na manhã de hoje dois integrantes do MBL por suspeita de lavagem de dinheiro na ordem de R$ 400 milhões.

Kim Karaguiri, Fernando Holiday e sua turma, que sempre se gabaram de lutar contra a corrupção durante o impeachment de Dilma mas se aliaram a Michel Temer, Eduardo Cunha, Romero Jucá, Geddel Vieira Lima, Moreira Franco e — finalmente — Jair Bolsonaro, sua família e suas relações curiosas com os milicianos que, de acordo com as investigações, executaram a vereadora Marielle Franco, disseram que não têm nada a ver com isso.

Antes de ser preso, um integrante do MBL quis tirar uma foto com um dos policiais que o prendia para colocar nas redes sociais.

Um membro explicou que as prisões aconteceram porque eles sempre disseram que eram contra a corrupção do PT. Infelizmente, o PT não fez muita coisa para acabar com esse argumento.

Procurada, a presidente do PT Gleisi Hoffmann disse que a culpa é das pessoas que acusam a Venezuela de não ser uma democracia.