Bolsonaro decretou uma medida provisória permitindo a suspensão do contrato de trabalho por quatro meses, sem qualquer ônus para as empresas. Paulo Guedes tinha defendido que pelo menos 25% do salário fosse garantido.

Com isso, cresce a pressão para que Maia e Alcolumbre devolvam a MP imediatamente para que não tenha validade por nem um dia. O povo quer que eles devolvam o papel com centenas de caralinhos desenhados.

O filho do presidente Jair Bolsonaro seria um dos mais afetados pela MP que permite empresas ficarem quatro meses sem pagar salário.

Acusado de rachadinha, ele pode ficar sem os vencimentos dos funcionários do gabinete, se as acusações forem verdadeiras.

A MP já está sendo chamada também de “Fome Milhão”.