O presidente Jair Bolsonaro foi criticado por usar de maneira errada a máscara facial durante uma coletiva sobre o coronavirus na tarde de ontem. Mas um infectologista diz que essa prática é comum desde a eleição.

“Bolsonaro tem várias máscaras. Para o povo que acredita que ele é o salvador do Brasil, ele usa uma máscara de paizão tosco mas de coração bom. Quando é pressionado, coloca a máscara de alguém que está disposto a dar um golpe na democracia e fechar o Congresso, mas logo depois põe outra máscara, e diz acreditar na democracia e cita os 57 milhões de votos que recebeu.”, disse.

Segundo o médico, Bolsonaro usa a máscara de homofóbico, racista, misógino e autoritário que seus fãs gostam durante a maior parte do dia e depois troca pela máscara de vítima perseguida por uma mídia opressora.

“A essa altura, ninguém sabe mais qual é seu rosto de verdade. Ele foi infectado pelo vírus da desumanidade há muito tempo e nenhuma máscara vai conseguir proteger o país disso”, completou.