Depois de fazer busca e apreensão em endereços de Flávio Queiroz e outros três ex-assessores de Flávio Bolsonaro, a Polícia Federal divulgou que o filho do presidente usou os serviços de um corretor de imóveis para lavar pelo menos 700 mil reais oriundos da “rachadinha”. De acordo com a PF, Flávio é chefe de uma organização criminosa que desviava dinheiro do salário de servidores.

Flávio se defendeu de uma das acusações dizendo que ganhou todo o dinheiro vendendo chocolate. “O chocolate de 7 a 1 que a Alemanha deu no Brasil foi comprado numa loja minha da Kopenhagen”, disse Flávio.

A PF disse que a casa vai cair para ele. “Não tem mais como se sustentar, está toda cheia de rachadinhas”, disse a PF.