A onda de calor que castiga o Brasil nesta semana, fazendo cidades registrarem a temperatura mais alta do ano (como foi o caso do Rio de Janeiro) pode ter explicação.

Segundo o Centro de Estudos Climáticos, o ano de temperaturas recordes pode ter resultado do pleito de 2018. Segundo estudiosos, o brasileiro abriu as portas do inferno nas últimas eleições – “Cada vez que digitou 17 para eleger alguém do PSL, a porta abriu um milímetro”, disse.

As portas do inferno haviam sido abertas pela última vez para receber o torturador Carlos Brlhante Ustra em 2015, ano que também teve recorde de altas temperaturas.

O calor é tão grande que um homem pegou fogo no Rio após passar álcool no corpo para espantar mosquitos.

Padarias estão usando carros sem ar condicionado para assar frangos e um juiz emitiu mandado de prisão contra quem disse que estava com saudade do verão.