O porteiro que disse em depoimento que um suspeito de matar Marielle Franco teve acesso ao condomínio Vivendas da Barra após ser liberado por alguém na casa do presidente Jair Bolsonaro – no dia do crime – vai virar estrela.

O homem ainda sem nome teve os direitos de sua vida comprados por um grande estúdio. “Não é possível um homem tão corajoso. Ele inventou uma mentira que o coloca na linha de tiro de um grupo criminoso e arranja briga com o presidente do país. Tudo isso para não ganhar absolutamente nada! É um herói!”, disse o produtor.

A história é tão mirabolante que o estúdio vai contratar roteiristas para tornar a história mais realista. “Se formos contar da forma como aconteceu, ficaria muito inverossímil”, disse. “Vamos ter que cortar detalhes”