O prefeito Marcelo Crivella se animou com a censura que tentou fazer – e a Justiça deixou – contra um livro de história em quadrinhos que tinha, em uma das páginas, dois homens se beijando.

Segundo ele, os livros deveria ser marcados como impróprios para menores e embalados em sacos pretos. A cidade do Rio de Janeiro, que já está dentro de um saco preto esperando o IML chegar, gastou dinheiro público para mandar fiscais e a guarda municipal à Bienal do Livro praticar censura.

Isso fez com que o prefeito criasse uma força-tarefa chamada “Fiscais de Costumes Universais”, abreviada para “fiscais de CU”.

Os fiscais de CU andarão pela cidade perguntando a todos os cidadãos o que sai ou entra da extremidade de seu sistema digestivo.

Isso fez com que eleitores queiram que a foto de Crivella seja censurada na urna em 2020. A justificativa é que ele está fazendo um mandato indecente.