O operador financeiro Adir Assad, preso pela Lava Jato e depois delator, diz que lavou milhões de reais para o grupo Silvio Santos através de contratos fraudados de patrocínio esportivo. Sua delação ainda é mantida sob sigilo e as informações foram publicadas através dos vazamentos do site Intercept.

A descoberta comprova que o patrão topa tudo por dinheiro. Seja abrir espaço para Bolsonaro e Moro  na programação em troca de publicidade do governo ou lavar milhões de reais de origem desconhecida.

O delator Assad girou o pião da cela própria em 2017 e ganhou um cubículo na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Silvio disse que tudo não passa de uma pegadinha e que a delação é usurpadora. Segundo ele, Assad abriu um baú de infelicidade e as portas da desesperança.

Presos em Curitiba já começaram a cantar “O Silvio Santos vem aí, olê olê olá”.

Segundo a Lava Jato, a delação de Assad foi premiada com barras de ouro que valem mais que dinheiro.