O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ganhou uma esperança de sair da cadeia muito antes do que se imaginava. Lula apoiou a a reeleição de Gleici Hoffman à presidência do PT e, com isso, seus advogados vão entrar com um pedido de inimputabilidade, alegando desordem mental.

“É claro que nenhuma pessoa sã faria isso”, afirmou um dos defensores.

Correntes do PT preferiam um novo presidente, que não passasse a imagem de radical. Gleici, porém, caiu nas graças de Lula ao defender ferrenhamente suas posições e se negar a fazer um mea culpa sobre a crise no partido.

O ex-presidente completou 500 anos preso. Doria perguntou ontem: “Mas e o Aécio?”.