Após dizer que sabe o destino do desaparecido na Ditadura Fernando Santa Cruz, Bolsonaro fez mudanças na Comissão da Verdade, que investiga os crimes cometidos pelo Estado entre 1964 e 1985. Ele diz ter colocado membros para contar a história da direita.

Um dos membros é um pau de arara que foi usado para torturar milhares de estudantes e militantes nos anos 60 e 70. O instrumento de tortura vai contar como evitou o fim do Brasil causando dor física e traumas psicológicos a jovens que lutavam por justiça social.

Bolsonaro também inaugurou uma sala em que livros de História serão torturados até mudar de versão.