As novas mensagens dos grupos de Telegram da Lava Jato publicadas na revista Veja de hoje mostram um nível de promiscuidade inacreditável entre o juiz Sérgio Moro e os procuradores. Moro chega a dizer que é contra a delação de Eduardo Cunha – que ameaçava o governo Temer – e Dallagnol festeja que “aha uhu o Fachin é nosso”.

Especialistas da Organização Mundial de Saúde disseram que os celulares da turma da Lava Jato são um risco à saúde pública muito maior que as bactérias, vírus e fungos de um banheiro público.

“Pelo menos o banheiro público é aberto a quem quiser ver. Eles agiam nas sombras e planejavam infectar a democracia e o devido processo legal”, disse o especialista.

Sobrou até para o apresentador Faustão, que foi pego no Arquivo Confidencial e criticou o quadro Showzinho da Defesa.