Teve gente que precisou chamar o tira-teima. Outros apelaram para o árbitro de vídeo. Mas quem passava ontem pelo Centro do Rio viu o comentarista de futebol aposentado Arnaldo Cezar Coelho vendendo chips de celular.

“Aqui, a regra é clara: aceito cartão. E ainda é mais barato na minha mão!” dizia ele a quem passava pelo local.

Ao ser procurado por nossa reportagem, Arnaldo disse que não poderia falar, pois estava impedido.

Arnaldo explicava que com aquele chip, o celular nunca ficaria como goleiro adiantado: fora da área.

No fim do expediente, após ficar além do tempo regulamentar, Arnaldo apitou e apontou para o centro de campo, encerrando mais um dia de trabalho.