O Ministério da Educação divulgou novas diretrizes para a elaboração de livros didáticos. A partir de agora, não é mais necessária a inclusão de dados bibliográficos nas obras. Também está permitida a inclusão de propaganda nas publicações.

Em outra medida, o MEC também retirou dos livros pauta de agressões a mulheres e de promoções dos quilombolas, consideradas de esquerda pelo novo governo.

Com as novas regras, o MEC passa a aceitar, ainda, print dos grupos de zap, principalmente família. Afinal, todo mundo sabe que os livros e a imprensa não servem para nada e que o zap é o lugar de se informar.

O ministério estuda ainda adotar audião em vez de aulas com professores esquerdistas.