O Egito se negou a receber o chanceler brasileiro depois de declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Ele defende que a capital capital de Israel seja transferida de Telaviv para Jerusalém. A ONU não reconhece o novo local. Oficialmente o compromisso foi adiado por problemas de agenda.

A esperança do governo Bolsonaro é que o Egito se acalme. Principalmente quando perceber que temos uma agenda social do tempo das múmias.

O Brasil tem fortes relações comerciais com o Egito. Brasileiros são frequentemente vítimas de investimentos em pirâmides.