Para acontecer, a campanha publicitária de Michel Temer que comemora os dois anos de seu governo arrancou dinheiro de outros lugares. A mordida maior foi no dinheiro do Ministério da Saúde para campanhas de utilidade pública, como vacinação, febre amarela, doações de órgãos etc. Foram 22 milhões de reais de dinheiro para educar e prevenir doenças queimados na pré-campanha do candidato do MDB.

Após a notícia, o Capeta convocou uma coletiva de imprensa dizendo que não aceitará a alma de Temer após sua morte. “Tudo tem limite. Eu até gostava do Temer porque agora posso andar tranquilamente pelas ruas do Brasil sabendo que eu não sou a entidade mais odiada. Mas pera lá”, disse o príncipe das trevas.