O Supremo Tribunal Federal (STF) parou todas as suas atividades nesta quinta-feira para discutir algo bem mais importante do que os escândalos da política nacional. Os ministros se reunirão na tarde de hoje para votar se dar spoiler é um direito do cidadão que se esforça para assistir filmes e séries o mais rápido possível ou se é um crime inafiançável por revelar pontos importantes das histórias para quem ainda não conseguiu ver.

A decisão foi adiantada para hoje antes da estreia oficial do filme “Vingadores: Guerra Infinita”. Após sua pré-estreia, apenas para celebridades e pessoas especializadas, que aconteceu ontem, spoilers do filme já circulam pela internet.

O advogado da Associação dos Viciados em Filmes e Séries, João Urbano Netto defende o direito de seus clientes de poder comentar o que viram já no dia seguinte, no trabalho, nas redes sociais ou nos grupos de WhatsApp. “Tem que gente que não viu nem a primeira temporada de uma série que já está na quinta fase e se acha no direito de impedir que os grupos animadamente falem sobre o episódio dia anterior. Isso é muito chato”, afirma.

De outro lado, o advogado da Associação das Vítimas de Spoilers, Atércio Muniz, diz que vai até o fim lutando pelos direitos dessas pessoas. “Eles dormem cedo, têm mais o que fazer e não podem acompanhar todas as séries. Você já viu o preço do cinema? Às vezes eles precisam esperar o filme sair na Netflix. Isso faz com que eles tenham que levar spoiler todo dia quando chegam ao trabalho??”, questiona. O advogado, inclusive, não vai contar o resultado da decisão pro STF para todos, já que eles preferem não saber os finais antes da hora.