A possibilidade de Gilmar Mendes voltar de viagem no dia 4 de abril para desempatar a votação sobre o habeas corpus preventivo de Lula está agitando a política.

Não se sabe que voto Gilmar daria. Por um lado, ele tem votado em favor de suspender a prisão em segunda instância com frequência. Por outro, há sua rivalidade histórica com o PT e sua amizade com o PSDB.

“Vamos logo avisando: se Gilmar votar para soltar o Lula, vamos todos embora”, disse Mark Markovsky, o presidente da Associação de Correspondentes Estrangeiros no Brasil. “Vocês falam que o país não é para principiantes mas, se isso acontecer, o país passará a não ser nem para quem tem doutorado”.