Mãe de adolescentes mente para si mesma pelo terceiro ano seguido que os filhos estão animados para viajar com os pais

A advogada carioca Laura Bonatti, 48 anos, já começou a arrumar as malas desde já, embora a viagem que fará com sua família seja só depois do Natal. Ela vai para o Nordeste com o marido e os dois filhos adolescentes, Luiza, 15, e Téo, 17 anos. Para todo mundo, Laura conta que as “crianças” estão animadíssimas, que não veem a hora de partir com os pais nesta viagem de férias.

Mas, no fundo, Laura sabe que isso não é verdade. Luiza queria passar o revéillon com o namorado. Téo queria romper o ano com a galera, na casa do Gustavo. Tem sido assim nos últimos três anos. Num deles, foram para Paris. Luiza bocejou em frente à Torre Eiffel. No outro, aos incríveis Lençóis Maranhenses, onde Téo forjou um piriri para ficar no quarto jogando no celular.

Mas Laura não desiste. Para o ano que vem, já pensa em propor algo diferente: passar o Ano Novo em Bora Bora. Os meninos vão ficar loucos – ela tem dito a todo mundo. Sem saber que, no quarto ao lado, Luiza reza para que o pai tenha um crise de coluna e eles não possam sair da cidade.

Segundo o pesquisador Pedro Simões, do setor de Estudos da Adolescência do Instituto Nupal (Núcleo de Estudos da América Latina), 96% dos pais mentem para si mesmos nessas horas. “É uma defesa, que só acaba quando o filho assina um documento em três vias lavrado em cartório afirmando que não gosta de viajar com os pais. Até lá, eles inventam todo tipo de desculpa para não perceber”, afirma.