O Palácio do Jaburu, residência do presidente Michel Temer, foi palco, ontem à noite, de uma animada reunião em homenagem ao Dia do Amigo, comemorado hoje no Brasil e em diversos países do mundo. A festa foi uma surpresa preparada por 36 dos 40 deputados federais que votaram a favor de Temer na análise da denúncia de corrupção contra o presidente na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Foram os mesmos que receberam um total de R$ 134 milhões em emendas no mês de junho, o dobro do que receberam os que votaram contra.

Juntos e de mãos dadas na recepção do palácio, os amigos parlamentares esperaram Temer abrir a porta para recebê-los à meia-noite e começaram a cantar “Canção da América”, de Milton Nascimento. “Amigo é coisa pra se guardar… debaixo de sete chaves…”, puxou, visivelmente emocionado, o deputado Paulo Abi-Ackel, autor do relatório a favor de Temer na CCJ e, não por acaso, o campeão em recebimento de emendas, um total de R$ 5,1 milhões. Temer só não foi às lágrimas porque não tem coração, disse uma testemunha.

A demonstração sincera de amizade foi registrada em vídeo pelo deputado Beto Mansur, que recebeu R$ 5 milhões em emendas e foi posto às pressas na CCJ no lugar de outro deputado que votaria contra. Não tivemos acesso às imagens pois Mansur foi obrigado a apagar todas as gravações de seu celular na saída do evento, causando o único momento de constrangimento da confraternização.

Carlos Marun, outro deputado pró-Temer colocado às pressas na comissão, fez um discurso lembrando a origem do Dia do Amigo. No dia 20 de julho de 1969, data da chegada do homem à Lua, o médico argentino Enrique Febbraro enviou cerca de mil cartas para diversos países pregando a união dos povos. Ele considerava a façanha dos astronautas “um feito que demonstra que se o homem se unir com seus semelhantes, não há objetivos impossíveis”. Repetindo as palavras do médico, Marun anunciou que vai propôr um novo Dia do Amigo, a ser comemorado a partir do ano que vem no dia 13 de julho, data da rejeição da denúncia contra o presidente na CCJ.