Áudio de Joesley era trolagem com ‘gemidão do zap’, diz Temer

O presidente Michel Temer afirmou em coletiva na tarde de ontem que não iria renunciar ao cargo antes de ouvir, analisar e que fossem investigadas as gravações feitas pelos donos da JBS, que supostamente mostram Temer dando aval à compra do silêncio de Eduardo Cunha.

Passadas as primeiras horas do período de caos que se instaurou no cenário político nacional, Temer se pronunciou sobre as gravações e afirmou que tudo não passou de uma trolagem.

“Foi tudo uma trolagem, gente. Quando tive acesso aos áudios e apertei o play, a gravação estava muito baixa. Aumentei o volume para conseguir escutar melhor e, do nada começou o gemidão do zap muito alto. Marcela estava na sala e deu um pulo” conta o presidente.