Fim de ano é um período conhecido pelo seu potencial para confraternização. Festas no escritório, o famoso amigo oculto entre amigos, os grandes jantares de família. Mas uma parcela da população do país sofre durante essa época exatamente com a necessidade de se isolar de seus entes queridos. São os donos de casa de praia que, segundo pesquisa, já pararam até mesmo de atender seus telefones.

“Chegou dezembro fica apenas impossível”, teria dito José Félix, dono de um apartamento de dois quartos no Guarujá. “O telefone toca e você já sabe, é parente querendo passar o réveillon na sua casa”. Você pode falar que está cheia que ele se oferece pra dormir no chão, pode falar que vai faltar água que eles dizem que bebem do mar”. Segundo ele a única solução nesses casos é mesmo não atender o telefone, já que até mesmo sobrinhos pequenos já foram usados como arma de chantagem emocional.

A pesquisa também oferece outros dados chocantes. Além de apenas 10% dos brasileiros com casa na praia atenderem o telefone em dezembro, apenas 8% gosta de verdade dos presentes que recebe da família no natal e menos de 2% da nossa população solteira conversaria com suas tias e tios durante o fim do ano se não fosse obrigada pela própria mãe.

“Os dados refletem um distanciamento cada vez maior do cidadão com seus familiares e–“, começou a explicar o pesquisador responsável pelo projeto, Manoel Parreira, antes de interromper a entrevista para reclamar de um grupo de Whatsapp de sua família onde as pessoas não paravam de mandar mensagens de áudio.