A mulher do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Cláudia Cruz, chegou na manhã desta quarta-feira para visitar o marido pela segunda vez na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, e passou três horas no local. A ex-apresentadora foi acompanhada do advogado e dos quatro filhos de Cunha.

Segundo fontes da PF, os filhos levaram roupas, livros, frutas e biscoitos para Cunha.  Diante de uma prévia do que pode ser o reaquecimento da economia local, com as constantes presenças vips aos presos da Lava-Jato, empresários do setor imobiliário já apresentaram propostas para a construção de um poderoso shopping no entorno do presídio: o Lava-Jato Shopping Tower.

“A ideia é fazer algo bem sofisticado e com muita segurança, onde os parentes dos presos possam gastar à vontade, sem a presença de jornalistas. Teremos só joalherias, lojas de grifes, bancos e casas de câmbios e restaurantes internacionais. Já temos dezenas de lojistas interessados e o empreendimento já é um sucesso”, afirmou o engenheiro Carlos Cabral, dono da empreiteira Sergio Barata.

Pesquisa encomendada pela empreiteira de Barata, feita no mês de setembro, ouviu 150 parentes dos presos da Superintendência da PF, e o resultado foi surpreendente:  89% afirmaram que vão passar mais tempo no futuro shopping do que nas visitas. “Eu só venho porque sou obrigada. Se tivesse um shopping, estaria comprando, claro”, disse X, que pediu anonimato, ao ser entrevista após uma visita a um ex-colega de trabalho.