A eleição no Rio já parece estar decidida. Crivella lidera com 51% de acordo com a mais recente pesquisa, e Freixo possui distantes 25% das intenções de voto para o segundo turno. Diante disso o candidato Crivella, talvez considerando a vitória já certa, decidiu não apenas cancelar sua participação nos debates como também esconder sua agenda. Segundo fontes ele teria chegado ao extremo de dizer que “só debateria se Jesus fosse o moderador”, mudando de ideia quando informado por seu assessor que “Jesus era meio de esquerda, pastor”.

Porém, cientes de que a festa da democracia não pode parar e o debate é um direito do povo, dois dos maiores apoiadores de Crivella se ofereceram para debater em seu lugar: Edir Macedo e Garotinho. Macedo, entrevistado pela nossa reportagem, garantiu que que não apenas venceria Freixo em qualquer debate como ainda “compraria o prédio do estúdio e faria uma Igreja Universal”. Já Garotinho, pediu que se encontrássemos com Crivella, que o avisássemos que ele está tentando telefonar já tem mais de uma semana e ninguém atende, as mensagens do Whatsapp estão visualizadas mas sem resposta, o que está acontecendo?

Enquanto isso Freixo reafirmou seu compromisso de comparecer aos debates, mesmo sozinho. A grande preocupação, no entanto, é da parte do canal de televisão responsável pelo programa.

“Temos medo que o Freixo, sozinho no estúdio, comece, sei lá, a acender um ‘cigarrinho da esquerda’, trazer drag queens e dar oficina de bambolê, essas coisas do PSOL, sabe?”, disse um executivo que não quis se identificar.