Durante discurso em comício na noite de ontem em Recife, o ex-presidente Lula demonstrou indignação diante da atuação dos membros do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato. Lula, que virou oficialmente réu na operação essa semana, afirmou que os que o investigam não foram escolhidos para serem deuses:

“Queria dizer para meus algozes: vocês têm um concurso, mas não foram escolhidos para serem deuses. Eu não tenho concurso, tenho compromisso com o povo desse País. Duvido que dentro do Ministério Público, da Polícia Federal ou o juiz Moro sejam mais honestos que eu. Eles podem ser iguais”, disse. “Enquanto eles têm convicção, eu tenho uma história”.

As afirmações do ex-presidente vieram seguidas de um anúncio que pode mudar o rumo da política nacional. Lula disse para os populares, imprensa e políticos presentes que, caso se torne inelegível e não possa concorrer à presidência em 2018, se candidatará ao cargo de Deus:

“Não há nesse país alma viva mais honesta e qualificada para o cargo de Deus do que eu. O companheiro lá de cima que me desculpe, mas fizemos pelo Brasil em menos de 20 anos o que Ele não fez em mais de 2.000” arrancando aplausos.

Lula ainda apresentou um PowerPoint que mostra a palavra “vermelho” sendo citada 239 vezes na Bíblia, menos vezes do que Aécio na operação Lava Jato, o que pode não ser uma prova, mas uma enorme convicção de que ele e o PT são os sucessores naturais do trono Divino.