O ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, Eike Batista, prestou depoimento ao Ministério Público Federal e declarou ter recebido  pedido do então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, Guido Mantega, para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões, na conta do Partido dos Trabalhadores (PT). A PF deflagrou nesta quinta-feira a 34ª fase da Operação Lava-Jato, que teve a prisão temporária de Mantega.

Eike Batista, um dos alvos da operação batizada de Arquivo X, procurou espontaneamente a força-tarefa, segundo os procuradores do Ministério Público Federal. Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima disse que o empresário, na condição de testemunha, poderia ter permanecido calado.

Satisfeito com a repercussão positiva de sua delação, o empresário viu surgir uma nova oportunidade de voltar com tudo ao mundo dos negócios e rapidamente patenteou a sua mais nova marca: a OSX-9, uma empresa de delatores, onde qualquer um pode entregar quem  e o que quiser.

“Ele está mirando longe. Com tanto escândalo financeiro e político pipocando todo o dia, já estava na hora de surgir uma empresa que organizasse esse nicho. A ideia é centralizar os delatores e cobrar pequena porcentagem em cima das vantagens da delação premiada. Um grande negócio que pode render muito”, comentou o analista financeiro Guilherme Simonsen.

Mas o ex-bilionário deixou claro que ladrões de galinha, pequenos contraventores, árbitros de futebol, traficantes de pequeno porte, mulheres traídas de classe média, jornalistas de fofoca ou qualquer X-9 que não esteja inserido na classe A, não serão aceitos no negócio. “Temos que manter o nível alto”, teria dito Eike a amigos.