Uma manifestação contrária ao Governo Temer aconteceu no fim da tarde de ontem, em São Paulo. A Polícia Militar não divulgou o balanço de público, mas de acordo com os organizadores, o ato pacífico que percorreu o trajeto da Avenida Paulista até o Largo da Batata, reuniu cerca de cem mil pessoas.

Quatro horas após o início das manifestações, por volta das 20h45, a Polícia Militar de São Paulo postou em seu Twitter que “vândalos atuaram e obrigaram a PM a intervir com uso moderado da força/munição química”, dando início à confusão. A PM jogou bombas de gás lacrimogêneo dentro da estação de metrô Faria Lima após gritos de “Libera a catraca” por parte dos manifestantes. Tiros de bala de borracha e mais bombas foram disparadas para dispersar as pessoas que ainda caminhavam de forma tranquila e organizada no Largo.

O que poucas pessoas presentes no local e os grandes veículos de mídia não sabiam é que, na verdade, a ação truculenta da PM em uma manifestação pacífica era um flashmob para divulgar o novo curso ministrado pela própria Polícia Militar de São Paulo. O curso promete ensinar as pessoas a se livrarem de visitas inconvenientes com “uso moderado da força/munição química”.

“Sabe aquela pessoa inconveniente que se instala e não vai embora? Nosso curso pode ajudar você que tem medo de confronto e nunca sabe como fazer para dispersar essa pessoa chata” disse a PM em nova atualização no Twitter.

O curso garante um certificado, um kit primeiros socorros, uma publicação em um jornal à sua escolha chamando de vândalo sua visita e é assinado por Geraldo Alckmin, garantindo o padrão de qualidade que você já conhece.

“Do almoço de família ao último convidado da sua festa de aniversário, que já bebeu todas e não se toca que você trabalha no dia seguinte. Nossas apostilas ‘uso moderado da força’ e nosso kit ‘munição química’ são tudo o que você precisa! Disperse a multidão mais próxima de você.” finaliza a publicação.