O governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro declarou através de sua assessoria que não há mais dinheiro em caixa para se pagar a conta de gás da tocha olímpica: “em decorrência do estado de calamidade pública, só há dinheiro para apenas mais dois dias de chama olímpica”, diz a nota. O COI estuda a possibilidade de permitir que pela primeira vez na história a chama olímpica possa chegar no estádio para acender a pira olímpica em uma vela ou em uma lamparina de querosene.

Secretários estão tentando fazer um remanejamento do orçamento para manter a tocha olímpica acesa até o dia da abertura dos jogos. “O gás poderá ser cortado de atividades menos prioritárias como de viaturas da Polícia Militar ou da cozinha de escolas públicas, e ser utilizado no revezamento da tocha”, declarou o Palácio Guanabara.