O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu abertura de inquérito contra o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves. O ministro de Temer é acusado de ter recebido dinheiro desviado da Petrobrás, em troca de favores para a empreiteira OAS. Também estariam envolvidos no esquema o deputado afastado Eduardo Cunha e o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro.

Assim que soube que corre risco de ser preso, Henrique Eduardo Alves aprovou um desconto de 80% em sua própria viagem só de ida para uma ilha caribenha. “Ele soube da notícia e correu pra pegar a caneta e aprovar o desconto na hora. No avião ele pretende aprovar um acordo de livre circulação entre o Brasil e o Caribe”, disse um de seus assessores.

Precavido, o ministro tem um plano B, caso não consiga escapar da prisão. Ele pretende continuar trabalhando pelo turismo no Brasil recebendo visitas de estrangeiros na prisão. “Além das praias e do samba, o Brasil terá ministro preso para exibir ao mundo sua realidade”, disse.

Leia também: Dois ministros caem em 7 dias e Temer suspeita que Dilma passou graxa no piso