Uma das medidas mais polêmicas do governo Temer, até agora, foi a de transformar a Corregedoria Geral da União, órgão fiscalizador e de combate à corrupção administrativa, em ministério. O nome passou de CGU para “Ministério da Transparência” e, na pasta, foi colocado o peemdebista Fabiano Silveira.

O ministro foi flagrado em áudio orientando o presidente do Senado Renan Calheiros a não antecipar informações à Procuradoria-Geral da República na Operação Lava Jato. Ele também foi flagrado criticando a operação em gravação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

Renan é investigado por possível recebimento de propina da Petrobras.

Funcionários que pedem que o órgão volte a ter status de corregedoria fizeram atos em todo o país pedindo a saída de Fabiano Silveira. Eles dizem que a medida “esvazia” o órgão e querem a demissão do ministro.

Um grupo entrou no ministério e fez uma “higienização” do gabinete. As vassouras seriam doadas após o ato mas um sanitarista consultado pelos manifestantes os orientou a incinerá-las. “A sujeira é muito grande. Pode contaminar o lixo”, disse.