“Acordei muito confusa esta manhã. Meu nome é Helena, tenho 33 anos e, apesar de ser formada em administração de empresas, estou sem trabalhar há quatro anos, desde que meu filho nasceu. Até teríamos dinheiro para pagar uma creche, mas achei que seria bom estar com o menino até ele ser um pouco maior. Sou uma pessoa bastante caseira, não gosto muito de festa e não bebo. Mas sou feliz, eu e meu marido nos damos muito bem e já penso em daqui a pouco voltar ao mercado. Ele me apoia totalmente.

Mas, na semana passada, uma coisa me incomodou: a ironia em torno do perfil da possível primeira-dama Marcela Temer. Bela, recatada e do lar. Bem, seria mais ou menos o meu perfil – embora eu não seja tão bonita e bem cuidada quanto Marcela. Na mesma hora, todas as minhas amigas começaram a postar fotos nas redes sociais em que elas apareciam doidaças, como forma de protesto contra o machismo que a matéria apresentaria. Algumas delas se empolgaram tanto que começaram a mostrar demais. Minha prima de segundo grau mostrou o mamilo direito. Não que eu seja puritana. Mas me surpreendi com a reação e pensei que talvez elas apenas tenham conseguido um motivo pra se mostrar…

Foi aí que me toquei: olha só como eu sou recatada! Eu jamais publicaria uma foto mostrando o mamilo direito. Aliás, nem o esquerdo!

Será que eu sou uma mulher ruim?

Resolvi dar uma enlouquecida.

Comprei lingeries muito sensuais, uma calça jeans que aumenta o bumbum, um sutiã de bojo gigantesco e fiz selfies com roupas justas, com grandes decotes, traseiro impinado. Muita maquiagem. Biquinho.

Minha ideia era relaxar um pouco, me ver sexy, até mostrar algumas pro meu marido. Ou quem sabe eu colocaria algumas na internet?

Era hoje que eu daria o presente para ele.

Eis que…ontem à noite vi nas redes sociais as fotos – e as críticas – da dita primeira-dama do Ministério do Turismo, Milena Santos, ex-miss Bumbum. Ela postou fotos sensuais no gabinete do marido. Foi execrada por todo mundo. Claro que ela exagerou. Fotos de peitão no escritório oficial, que falta de decoro… Mas de repente isso era o de menos. Tudo dela passou a ser criticado. As poses, a sensualidade, o título, as ideias. O pior é que as fotos do Facebook dela me fizeram lembrar um pouquinho do ensaio de fotos domésticas que eu havia feito. Foi aí que fiquei confusa.

Durante os últimos dias, eu havia lido muito artigos feministas, para me atualizar, e muitos diziam que a mulher deve ter liberdade para ser o que quiser. Será?

Comentei isso com uma vizinha e ela parecia bem resolvida, porque me respondeu: “Ué, basta ser uma mulher normal!”

Mas o que é “normal”?

Lembrei de uma ex-colega que trabalhou, fez uma carreira e teve filhos, mas resolveu não completar a licença maternidade. Foi execrada! Lembrei de minha tia mais nova, que resolveu não ter filhos e era taxada de “egoísta”. Lembrei uma e-faxineira que abriu uma oficina mecânica e foi chamada de “sapatão” na comunidade que ela morava.

O pior é que quase sempre mulheres que criticam outras mulheres.

Diante de tudo isso, resolvi ficar quieta por mais um tempo.

Bem, quieta em termos. Porque agora uso todo o meu tempo livre atrás de uma manual que me diga exatamente como uma mulher deve ser. Se alguém souber, pode me mandar Inbox?”

 

Veja: 12 fatos sobre Marcela Temer que parecem coisa do Sensacionalista

Outro depoimento: Dou para qualquer homem que saiba usar a crase