“Não aguentamos mais correntes, imagens de ‘Bom Dia’ e fotos constrangedoras da nossa infância no grupo da família”, diz, com firmeza, a estudante Ana Julia Andronini. Ela é a líder de um movimento de adolescentes cujo objetivo é diminuir a frequência com que mães e tias usam seus planos de dados.
Um dos maiores inimigos de Ana Julia e seus companheiros é um plano pré-pago de internet lançado recentemente pela empresa Algar Telecom. “O que elas podem fazer com internet ilimitada a R$ 0,99?”, questiona, com um traço de preocupação na voz.
Ela promete fazer de tudo para manter essa informação em sigilo. “Chega de patinhos segurando rosas no bico e correntes com boatos de 1995 que até eu que nasci em 2000 sei que são mentira”, disse.
O movimento afirma que o período em que a internet dos pré-pagos fica bloqueada ajuda a ganhar fôlego para encarar a próxima sessão de mensagens inúteis.
Os jovens concordam que suas mães também têm direto à internet de qualidade em seus celulares e já entraram em negociação com o movimento MSC – Mães Super Conectadas.
Uma das propostas é que as mães que aderirem ao Pré Internet Sempre foquem sua atenção nas ligações ilimitadas a R$ 0,24, já que gostam de conversar por voz. Apesar das diferenças entre gerações, a situação parece se encaminhar para um desfecho amigável.
Confira a promoção clicando aqui.