O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, reuniu-se com emissários do governo federal para dizer que não há elementos para afastar Eduardo Cunha quando o processo contra o presidente da Câmara for retomado em fevereiro.

Segundo testemunhas, Lewandowski aproveitou para dizer que o STF também não seria capaz de julgar se a água é molhada, se o céu é azul, se a gravidade puxa as coisas para baixo e se “Detalhes” é uma música bonita.

A surpreendente informação dada por Lewandowski chegou até o condado de Manitowoc, nos Estados Unidos. O condenado Steven Avery, cuja longa relação com o sistema judicial americano é assunto do documentário “Making a Murderer”, pediu para que seu caso seja trazido para o Brasil.

Seu advogado já está estudando dizer que o assassinato da jornalista Teresa Halbach não aconteceu em Manitowoc mas na verdade no município de Mamanguape, na Paraíba. “Foi um erro de digitação no processo”, disse um advogado.

O Netflix já sinalizou que planeja comprar os direitos da história de vida de Eduardo Cunha e lançar um documentário com o título “Making a Deputado Federal”.

M Zorzanelli