Pedro Paulo Maciel é o primeiro a dizer “não precisa!” quando sai para comer fora com a família e um garçom lhe pergunta se quer couvert. Mas, diante da insistência dos filhos, acaba pedindo para trazer. Assim que a cestinha de pães e as pastinhas chegam, Pedro Paulo se transforma. O homem comedido e racional que ele é dá lugar a um desenfreado monstro devorador. Sob os olhares da mulher e das crianças, ele consegue colocar na boca, ao mesmo tempo, cinco torradas com manteiga, duas com patê e cinco pepinos, além de um ovo de codorna com molho rosé. “Não sei o que acontece comigo”, ele confessa. “Eu JURO que não queria o couvert!”.

Cientistas brasileiros estão reunidos num evento em São Paulo para destrinchar esse fenômeno do cotidiano. Por que as pessoas que dizem não querer o couvert são as que mais o comem depois? Para saber, 100 pessoas em grandes cidades brasileiras serão monitoradas durante um ano. O resultado deverá sair no fim de 2016.