O mundo corporativo continua com suas modinhas. Ninguém mais faz uma ligação ou combina um horário para se falar. As pessoas acertam “calls”. Mas um levantamento mostrou que isso não tem valor algum na qualidade do que será conversado – e nem no resultado prático da conversa.

O estudo acompanhou 200 ligações de executivos e constatou que aqueles que se referem ao ato como “call” não tiveram mais sucesso do que os demais. O diretor do instituto que fez o trabalho explica:

“Esses executivos precisam aprender a pensar fora da caixa, quebrar paradigmas e agregar valor ao seu vocabulário”.