Uma mulher entrou na Justiça no Rio de Janeiro pelo direito de não pagar por uma aula de stand-up paddle que fez no mar de Ipanema. A aula correu como o prometido, com 50 minutos nos quais ela aprendeu a se equilibrar sobre a prancha e dar suas primeiras remadas.

“Até ali ela estava muito satisfeita, eu diria até que estava radiante”, diz o professor Pepeu Julian. “Mas na hora de acertar o preço, que era de 90 reais, ela pediu para ver antes a foto que eu havia tirado dela. As alunas gostam da foto, acho normal”, completou. Mas ao perceber que o sol havia estragado sua foto com um contraluz, a aluna que não quis se identificar disse que não pagaria pela aula. “Para que eu vou querer aula de stand-up paddle se não dá para colocar no Instagram? Está me chamando de otária”, teria dito a mulher ao professor. O processo corre no 17ª Juizado de Causas Medíocres.

M Zorzanelli