“Quem bancou a festa?”

“Deixem Preta em paz!”

“Com 56 padrinhos, nenhum é especial”

“Tenha um casamento igual ao de Preta”

“Se fosse uma moça branca de Alphaville, alguém falaria mal do casamento?”

“O que o casamento de Preta Gil revela sobre o Brasil””

Sejam críticos, antropológicos ou de serviço, se multiplicam como Gremlins os artigos sobre o fantástico casamento de Preta Gil, que mobilizou o Brasil na semana passada. O fato é que, contra ou a favor, eles apenas prolongam o circo em que o enlace (ou a “boda”, como diria a Caras) se transformou. Já são tantos que ultrapassam o polêmico número de padrinhos da cerimônia (Sensacionalista incluído…)

Ninguém aguenta mais. Então tá combinado: quem falar do casamento de Preta Gil a partir de agora come toda a porcaria do mundo! Começou!