O Núcleo de Pesquisas da América Latina (NuPAL) pesquisou em todos os estados do Brasil os mais diversos tipos de varinhas e cabos de selfies, desde cabos de GoPro, até cabos de vassoura adaptados. A conclusão a que se chegou é que a tendência não está no tipo de cabo ou em sua marca, mas no tamanho do cabo compatível com o  ego da pessoa que tira selfies.

Pessoas com cabos curtinhos, que mal saem na foto, são pessoas de ego menos inflado, diz o especialista Ricardo Rivas. Já pessoas de cabo imenso, que saem inteiras na foto e de peito estufado, são pessoas de ego muito grande. Há também pessoas sem qualquer noção que tiram selfies horríveis e não se sabe por qual motivos possuem cabos e egos tão grandes. Esses cabos estão sendo vendidos em qualquer camelô com o nome de Cabo das Tormentas. Já os cabos para pessoas bonitas que, apesar do ego elevado, são toleráveis pelo menos visualmente, têm sido chamados de Cabos da Boa Esperança.

Por L. Lanna e Cacofonias