O anjo da guarda do técnico da Seleção brasileira de futebol convocou uma coletiva de imprensa nessa manhã para anunciar seu pedido de demissão antes do jogo Brasil x Coreia do Norte. Sentado numa nuvem e visivelmente agitado, o anjo da guarda respondeu apenas duas perguntas e abandonou a coletiva pela metade quando perguntado, afinal, qual seria seu sexo.

“Eu já ajudei muito o Dunga. Em 1994, não sei se vocês se lembram, mas eu que coloquei o pênalti dele para dentro na final contra a Itália. E sabe o que ele fez em retorno? Quando colocou a mão na taça, começou a praguejar. Isso pegou muito mal pra mim lá no céu. Tanto em que em 1998 não deu para fazer muita coisa”.

O anjo então falou sobre a situação desde 2006, quando Dunga assumiu o comando técnico da Seleção. “Vocês podem ver o bom serviço que eu fiz. Mesmo insistindo em não jogar futebol, eu ia lá e dava um jeito. Pega o Adriano bêbado no colo e fazia ele chutar pro gol. Mas pelo menos era o Adriano. Agora, não tem como fazer muita coisa. Michel Bastos? Felipe Melo? Daniel Alves? Grafite? Aí, não. O Dunga está dificultando o meu trabalho. Esse cara não me ajuda. Vou voltar para o céu, antes que eu queime o meu filme. Boa Copa para vocês”.