O modelo holandês Bory van der Draw descobriu uma nova forma de ganhar dinheiro. Aos 37 anos e com poucos contratos para desfiles e ensaios de moda, ele percebeu um enorme mercado: pessoas que gostariam de ter uma tatuagem, mas não têm coragem de fazer, seja por medo do arrependimento ou da dor. Draw passou a oferecer serviços de dublê de tatuagem. “Minha primeira clente”, ele conta, “sempre sonhou com a tatuagem de um Pégaso na coxa esquerda, mas o marido não permitia. Então ela alugou a minha coxa e fez ali a sua tatuagem”, diz.

Outro cliente alugou o antebraço de Bory para um dragão chinês colorido. A procura foi tanta que Draw teve que raspar até a cabeça para conseguir espaço. Ao todo, o ex-modelo já tem pelo menos 60 tatuagens de outras pessoas em seu corpo – sendo a maior delas a frase “Dick, eu te amo” no peito, pela qual recebeu três mil dólares, pagos pela mulher de Dick. No pagamento, está incluída a presença de Bory em festas e eventos, para que as pessoas possam mostrar suas tatuagens a amigos e familiares. O último cliente foi um campeão de xadrez, que quis estampar o tabuleiro em seu rosto. “Estou realizado, ganhando dinheiro e fiz novos amigos. Minha única preocupação é o limite do meu corpo”, afirma Bory, que já está fazendo um regime de engorda para ampliar o espaço físico a ser oferecido.