Numa semana em que errou o que já dava para errar — lançou um slogan (“O Brasil voltou, 20 anos em 2”) que em qualquer governo do mundo seria uma tragédia, mas aqui é apenas uma segunda-feira e homenageou o cineasta falecido Roberto Farias citando um filme que não era dele — Michel Temer quer quebrar recordes.

O vídeo mais lisérgico desde “Submarino Amarelo”. A maior vergonha alheia desde a sequência final de “A Cinderela Baiana” com Carla Perez. É difícil encontrar lugar para o vídeo de Temer interagindo com uma youtuber de quem ninguém ouviu falar (deve ser uma atriz de outro país que foi dublada; ninguém por aqui se arriscaria a nunca mais trabalhar por causa de um cachê).

O papo dos dois se resume a falar sobre o que Temer faz no tempo livre (fora chupar sangue de cabrito à meia noite e combinar recebimento de propinas). Ele diz que gosta de séries, de “A Casa de Papel” (que ele certamente sequer sabe o que é) e de uma série sobre o “Tramp”.

Veja o vídeo:

Mas o Twitter tentou. Vamos às reações:

 

M Zorzanelli