Como se mede o sucesso de uma série? Audiência, claro. Postagens sobre o assunto em redes sociais? Com certeza. Consumo de produtos da série, como bonequinhos, camisetas e canecas? Sem sombra de dúvida. Mas uma pesquisa recente feita pelo Instituto Nupal, o Núcleo de Pesquisas da América Latina, mostrou que o amor do público pelas séries vai além do que se poderia imaginar. De acordo com o estudo, 89% das pessoas já choram mais em mortes de personagens queridos de séries do que na morte de boa parte dos parentes.

O mineiro Anderson dos Santos, por exemplo, estudante de Engenharia da UFMG, chorou três noites seguidas agarrado ao travesseiro após a morte do (spoiler detected!!!) de um pesonagem muito importante de uma série popular da HBO.

“Muito mais do que quando meu único tio morreu, claro. É que o personagem me dava muito mais alegrias do que o meu tio”, confessa.

Ana Maria Fontenelle, de 27 anos, fisioterapeuta, tomou calmantes após a morte recente de um dos personagens que ela mais gostava em sua série preferida. “Não fiquei assim quando meu avô morreu. Meu avô já estava velho, o personagem era tão jovem!”, diz.