O STF ainda não terminou de votar se aceita ou não o pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-presidente Lula, mas o placar demonstra que ele será rejeitado.

Com isso, o país se livra para sempre da corrupção endêmica que marcou sua vida política desde a chegada dos portugueses em 1500.

Após a prisão de Lula, um ladrão de galinhas parou em meio ao ato, levou a mão à cabeça e largou o galináceo no chão. “Senti uma coisa na hora que a Rosa Weber votou e fui direto para a igreja”, disse.

Michel Temer recusou uma negociata oferecida a ele e Moreira Franco chamou a ambulância. “Não precisá-la-ei”, disse. “A corrupção acabou, você não ficou sabendo?”

No novo Brasil sem corrupção, o Congresso não é o mais denunciado por crimes na história do país, o presidente em exercício não comprou votos com emendas para se salvar por de denúncias escabrosas registradas em áudio por duas vezes, o candidato do maior partido de direita não teve seu nome associado a uma máfia de desvio de verbas do metrô e de merenda de crianças e o comandante das Forças Armadas não intimida o Supremo.