Mikael Tavares Medeiros, de 19 anos, foi nomeado no ano passado para uma pasta do Ministério do Trabalho, onde faz pagamentos de 473 milhões de reais por ano. Seu pai, um policial, preside o PTB numa cidade próxima a Brasília. Um dia depois de sua nomeação nomeação, Mikael liberou R$ 22 milhões em contrato suspeito.

O jovem nega que já tenha feito algo suspeito em sua administração e diz ser maduro suficiente para o cargo. “Único deslize que já dei foi quase ter gasto todo o orçamento anual em itens do League of Legends”, revelou.

“Mas foi só em um dia que eu estava indo mal no jogo e meus amigos estavam me deixando para trás. Isso abalou minha autoestima e a autoestima do meu personagem no jogo também”, explicou.

De acordo com colegas de trabalho de Mikael, o jovem já foi flagrado várias vezes jogando Clash of Clans no celular durante o expediente.