Cirque du Soleil abre seleção no Brasil após exibições de malabarismo em defesa de Waack

Nos últimos dias, muitos jornalistas usaram seus espaços para defender o colega William Waack da acusação de ser racista. Waack foi gravado dizendo “é coisa de preto” sobre o motorista que buzinou enquanto se preparava para ir ao ar ao vivo nos EUA. Isso mostra a sofisticação do jornalismo da Globo, que consegue identificar a cor de uma pessoa só pelo som da buzina.

Até agora, se revezaram em colunas defendendo o “deslize” de Waack, um “grande profissional” Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, Rachel Sheherazade, Mônica Waldvogel, José Roberto Guzzo, Gilmar Mendes e Silas Malafaia.

Os malabarismos para justificar a apavorantemente nítida opinião de Waack sobre a raça negra não são fáceis de executar. Tanto que chamaram a atenção do Cirque du Soleil, que virá ao Brasil fazer um “casting” entre estes profissionais.

Enquanto fazem bem o malabarismo usando argumentos sobre as qualidades profissionais e pessoais de Waack, muitos deixam cair as bolas quando dizem que rechaçar a atitude do ex-âncora do Jornal da Globo é bandeira “esquerdista”.

Augusto Nunes os chamou de “fanáticos extremistas, perdedores congênitos, patrulheiros esquerdopatas, cretinos fundamentais e idiotas em geral”. Sheherazade, de “esquerdistas acéfalos e medíocres de todas as nuances”. Para Joice Hasselmann são “babacas, patrulhadores recalcados, gente idiota”.

(Com ideia de Marcos Sacramento)