William Waack foi afastado de suas atividades no jornalismo da Rede Globo após um vídeo em que faz comentários racistas foi divulgado. Ao ver um homem negro buzinando durante a preparação para sua transmissão ao vivo, ele diz “é preto, é coisa de preto”.

Waack, que foi substituído ontem por Renata Lo Prete, ainda tentou se defender dizendo que na realidade havia visto a colega, com quem teria uma richa, buzinando num sinal de trânsito em Washington. “É Prete, só pode ser coisa de Prete.”

O jornalista também tentou se defender dizendo que tem sangue negro: você pode ver que debaixo dos meus olhos, nas minhas olheiras, eu sou totalmente preto.

Não colou. Mas Waack já recebeu sua primeira proposta de emprego. Foi do pré-candidato a transformar o Brasil no mais novo país do século XIX, Jair Bolsonaro. O deputado condenado por ofender quilombolas disse que quer o refinado intelectual das madrugadas ao seu lado na integração racial do novo governo.

Não é o primeiro vazamento do Waack. Há alguns anos, documentos vazados pelo Wikileaks mostraram que ele tem envolvimento com a CIA. Agora, suspeita-se que também esteja envolvido com a KKK.