Jovens liberais querem eleger Doria com PMDB, ruralistas e evangélicos. Pode rir, a piada é essa

A Revista Piauí publicou na última terça-feira trechos de conversas realizadas entre membros do Movimento Brasil Livre (MBL) em um grupo no WhatsApp. A troca de mensagens revelou que o MBL já possui um plano traçado para a disputa presidencial em 2018: eleger o prefeito de São Paulo, João Doria. A estratégia para levar o psdbista ao Palácio do Planalto consiste em construir uma aliança entre PMDB, DEM, evangélicos e ruralistas – e abandonar de vez o PSDB. Pode rir, a piada é essa.

As conversas do grupo, criado por um “entusiasta do MBL”, expõem os pontos fracos do movimento, formado por jovens liberais que, supostamente, colocam as liberdades individuais acima de tudo mas, em paralelo, se unem ao que há de mais retrógrado na política na tentativa de eleger Doria.

Mantendo a coerência de seus líderes, rumo ao avanço, o MBL avisou que trocará os serviços do WhatsApp por conversas via carta. Kim Kataguiri saiu em defesa e avisou que toda a conversa não passa de uma pegadinha.

“Tudo o que foi transcrito pela revista era, na verdade, um enorme áudio mandado por mim. O ‘gemidão do Kim’ é a mais nova tentativa do MBL para conquistar jovens liberais para o movimento” disse.