OMS estuda se mensagem fragmentada no WhatsApp pode ser considerada doença

O fenômeno da rápida e eficaz comunicação tem trazido à tona problemas de saúde que eram inimagináveis há um tempo não muito distante. Com o surgimento de novas formas de comunicação, mais o comportamento humano se desdobra em diferentes reações e a Organização Mundial de Saúde tem trabalhado incessantemente nos estudos para catalogação e tratamentos para as chamadas doenças modernas. Mensagens cortadas no WhatsApp podem entrar para esta lista.

“Conforme a comunicação se tornou rápida e eficiente, as pessoas criaram a necessidade não só de falar, mas de falar rápido. Isso desencadeou um problema muito sério, que é o envio
de
mensagens
fragmentadas ou
cortadas
assim mesmo
uma
coisa em
cada
linha” diz o comunicado da OMS nas redes sociais.

O que parecia ser apenas uma reação inofensiva, agora pode ser considerada doença. De acordo com dados da OMS, 89% dos usuários de WhatsApp odeiam quando uma mensagem é enviada em pedaços. 3% não se importam e 8% são os responsáveis por isso.

A meta da OMS é acabar com a doença da mensagem fragmentada num período de até cinco anos. O tratamento consiste em quebrar o touch screen dos celulares, impedindo que as mensagens sejam enviadas.