Gilmar Mendes ganha prêmio do Ibama por soltar tucanos, ratos e até Barata

Depois de mandar soltar tucanos, alguns ratos e, ontem, o empresário Jacob Barata Filho, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes foi homenageado pelo Ibama por sua contribuição à fauna brasileira. Barata foi preso no mês passado em uma das etapas da Operação Ponto Final, um desdobramento da Operação Lava Jato que investiga um suposto esquema de pagamento de propina a políticos e de fraudes em contratos do governo do Rio de Janeiro com empresas de transporte público. Gilmar é o primeiro brasileiro a receber o prêmio.

Barata teve sua prisão preventiva convertida em medidas cautelares como recolhimento noturno, já que a noite é o período em que mais baratas são mortas no país, além de não participar das atividades de suas empresas de transportes, que são dedetizadas constantemente. Barata também fica proibido de deixar o país, já que o tráfico de animais para o exterior tem se tornado cada vez mais frequente.

Em seu agradecimento, Gilmar disse que o prêmio é uma honra, no entanto, não fez mais que sua obrigação, já que o ministro foi padrinho de casamento da filha de Barata.

“Se conseguirmos fazer a mudança acontecer por perto, juntos nós conseguiremos ir mais longe” disse.