Rafael Braga pede para ser adotado por desembargadora para ser solto

A estratégia adotada pela defesa de Rafael Braga, catador de lixo reciclável preso em 2013 por porte de 0,6 g de maconha e 9,3 g de cocaína e condenado a 11 anos de detenção, passou a ser diferente. Após a negação do habeas corpus emitida hoje, a defesa pedirá que ele seja adotado por uma desembargadora do Mato Grosso do Sul.

Tudo isso para explorar a jurisprudência criada pela liberação quase imediata do filho de Tânia Garcia Borges, Breno Fernando Solon Borges, preso em flagrante com 130 kg de maconha e munição de fuzil em 13 de junho.

Breno foi preso e enviado a um presídio, mas liberado quase imediatamente para ser tratado em uma clínica.

“Uma dificuldade para conseguirmos a adoção seria o fato de que Rafael não é mais uma criança. Porém, como desembargadores podem fazer o que quiserem no Brasil, só basta mesmo a vontade dela em adota-lo e tudo se resolveria”, disse o advogado do catador.

Para convencer sua possível futura mãe a adotá-lo, o advogado de Rafael marcou uma entrevista com a desembargadora. Rafael promete portar 130kg de maconha enrolados em seu corpo e munições de fuzil nas mãos para tentar gerar identificação com a família.